Veja Também

 

 
 
 
 
Notícias - Geral
 
Enem: Enem tem 35,20% de ausentes em MT

Postado em: 07/11/2017 09:27:00   Atualizado: 07/11/2017 11:14:15
Divulgação

Dos 126.215 de inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano, 35,20% -, o que corresponde a mais de 44 mil estudantes -, não compareceram ao primeiro dia de provas, em Mato Grosso. O índice de abstenção obtido pelo Estado é maior que o registrado em todo país, que foi de 30,20%, percentual que superou o ano de 2009, quando 37,7% candidatos se ausentaram da prova.

Os dados foram divulgados ainda no domingo (5), pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). No Estado, a realização do exame por meio de videoprovas traduzidas em libras foi solicitada por 39 inscritos. O recurso é utilizado pela primeira vez, sendo que neste ano, o tema da redação foi sobre os “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”. Atualmente, o sistema estadual de ensino conta com 300 alunos com deficiência auditiva matriculados na rede. 

Em Mato Grosso, a prova foi aplicada em 57 municípios. Em Cuiabá, o exame teve 31.056 inscritos e, em Várzea Grande, foram outros 12.536 candidatos. Conforme o Inep, ao todo 81.787 mil estiveram presentes no primeiro dia de prova em Mato Grosso, o que corresponde a 64,80% de presença. Do total de inscritos, 44.428 mil se ausentaram, o que representa 35,20% dos inscritos. 

Na avaliação do ministro da Educação, Mendonça Filho, o primeiro dia de aplicação do exame foi tranquilo. Segundo levantamento do Inep, o dia terminou com 273 participantes eliminados, no país. Em 2016, o exame já registrava 3.942 eliminações, e outras 4.780 no segundo dia. Do total de eliminados, 264 foram por descumprimento de regras gerais do edital e nove após passarem pelo detector de metais portando objetos proibidos. 

Na prova deste domingo, os participantes fizeram provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Ciências Humanas e suas Tecnologias; e Redação, que teve como tema “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”. Para o governo, o tema da redação legitima uma série de ações que o Ministério da Educação, por meio do Inep, estreou nesta edição. 

Entre elas, a Política de Acessibilidade do Enem foi recorçada com a oferta de um novo recurso: a videoprova traduzida em Língua Brasileira de Sinais (Libras), escolhida por 1.635 participantes. No país, o Enem teve 4.390 solicitações de atendimento especializado para surdez, e 4.390 para deficiência auditiva. 

No Estado, foram aprovados 628 atendimentos especializados. A maioria dos casos é de deficiência física, baixa visão e déficit de atenção. Ao todo, estava previsto o uso de 1.351 recursos de acessibilidade, sendo 39 videoprovas traduzidas em libras, além de 416 atendimentos específicos, sendo 59,6% para lactantes. 

A forma de correção da redação, neste ano, também foi alvo de polêmica com decisão judicial que proibiu a atribuição de nota zero a redações que desrespeitem os direitos humanos no Enem. O MEC não deve recorrer da determinação judicial. 

O segundo dia de provas será no próximo dia 12 de novembro, com questões de matemática e ciências da natureza. Este é o primeiro ano que o Enem é realizado em dois domingos consecutivos. Até o ano passado, as provas eram realizadas em um único fim de semana, no sábado e no domingo. 

EDUCAÇÃO ESPECIAL – De acordo com dados da Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc), a rede estadual de ensino conta com 300 alunos surdos ou com deficiência auditiva, matriculados em unidades da rede regular ou específicas. 

O órgão estadual garante que a grande maioria das escolas conta com a sala de recursos multifuncionais, equipadas com um conjunto de materiais didático-pedagógicos, mobiliário e softwares que visam diminuir as barreiras do aprendizado para os alunos portadores de necessidades especiais. 

“Os equipamentos das salas de recursos multifuncionais são distribuídos pelo MEC. São dois tipos de salas. A do ‘tipo 1’ possui equipamentos adequados para o atendimento de alunos com deficiências diversas. Já as salas do ‘tipo 2’ são específicas para portadores de deficiência visual. 

Ainda, conforme a Seduc, o Centro de Formação dos Profissionais da Educação e Atendimento à Pessoa Surda de Mato Grosso, disponibiliza cursos de Libras, Tradução e Interpretação Libras/Língua Portuguesa e Fundamentos da Língua Portuguesa para Surdos, totalizando mais 7.500 formações de profissionais (entre professores e funcionários da rede estadual de ensino). 

Também mais de 200 profissionais aprovados no Atesto (Certificação de Proficiência para atuar como intérpretes de libras nas escolas que atendem alunos surdos. “Além da formação continuada, aos educadores, a grande maioria das escolas também contam com a sala de recursos e um acompanhamento as famílias de alunos portadores de deficiência”. 

Fonte: Diário de Cuiabá