Veja Também

 

 
 
 
 
Notícias - Geral
 
Agronegócio: Mato Grosso pode colher quase 50 milhões de toneladas de grãos

Postado em: 11/06/2015 15:36:00   Atualizado: 11/06/2015 15:45:38
Viviane Petroli

Mato Grosso deverá registrar 49,236 milhões de toneladas de grãos nesta safra 2014/2015. A avaliação é da Companhia Nacional do Abastecimento (Conab) que prevê um incremento na produção de grãos de 3,2% em relação à safra 2013/2014, quando 47,702 milhões de toneladas foram colhidas. As projeções foram divulgadas nesta quinta-feira (11) pela Companhia. Somente em soja são 28,133 milhões de toneladas e em milho 2ª safra 17,887 milhões de toneladas.

No Brasil a projeção para a safra 2014/2015 é de 204,5 milhões de toneladas de grãos. Mato Grosso é responsável por 24,1% desta produção.

Em termos de área o Estado destinou para o atual ciclo 13,445 milhões de hectares, um leve aumento de 0,9% em relação à safra passada. A produtividade média, estimada, é de 3.662 quilos por hectare, alta de 2,3% de um ciclo para o outro.

De acordo com a Conab, a área destinada ao algodão registra queda de 80,4 mil hectares ou 12,5%. "Essa redução ocorre em função dos baixos preços alcançados na arroba da pluma. O algodão é uma cultura de custo bastante elevado e os produtores precisam trabalhar com um planejamento estratégico, de forma a estimar o custo de produção e vender antecipadamente o produto, com o intuito de obter uma margem de lucro razoável tendo em vista outras possibilidades de cultivo como a soja", destaca o levantamento de safra 2014/2015 divulgado nesta quinta-feira (11).

A previsão para o algodão é de 2,191 milhões de toneladas de algodão em caroço, recuo de 14% ante a safra passada. Este volume deverá resultar em 865,5 mil toneladas em algodão em pluma após o beneficiamento da fibra e 1,325 milhão de toneladas de caroço de algodão.

Em milho 1ª safra é apontado um crescimento de 8,5% em relação a safra 2013/2014. No atual ciclo 458,2 mil toneladas foram colhidas na 1ª safra do cereal no Estado. Na 2ª safra o incremento previsto é de 1,5%.

Fonte: Olhar Direto