Veja Também

 

 
 
 
 
Notícias - Política
 
Quase Unanimidade: Max Russi teve aprovação de 19 deputados estaduais para Casa Civil e prioridade é diálogo com AL e municípios

Postado em: 03/10/2017 21:26:00   Atualizado: 03/10/2017 21:27:45
Divulgação

Pelo menos 19 dos 24 deputados estaduais se manifestaram favoravelmente à escolha do colega Max Russi (PSB) para assumir a chefia da Casa Civil, em substituição ao ex-secretário José Adolpho Avelino Vieira, que deixa o governo. O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (PSB), colocou a informação no grupo privado de whatsapp dos parlamentares e todos os 19 da base aliada apoiaram a decisão do governador José Pedro Taques (PSDB).
 
A reportagem do Olhar Direto apurou que, depois do anúncio oficial, no período da tarde, até mesmo os deputados Allan Kardec (PT) e Janaína Riva (PMDB), líderes da oposição, parabenizaram o novo titular da Casa Civil.
 
Max Russi observou que a prioridade é aprimorar a interlocução com a Assembleia Legislativa de Mato Grosso e com os municípios – prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Atualmente, o atendimento dos líderes municipalistas é feito pelos secretários adjuntos de Ação Governamental, ex-deputado Carlos Brito (PSDB); e de Relações Políticas com os Municípios e Sociedade Organizada, Paola Reis.
 
“Vamos continuar a conversar com os poderes [Legislativo e Judiciário], com os órgãos autônomos [Ministério Público e TCE], com os prefeitos e com a sociedade organizada”, disse Max Russi, para a reportagem do Olhar Direto. Ele admitiu que o tempo urge, mas crê ser possível vencer inúmeras batalhas.
 
Max Russi lembrou que, com a Assembleia, tende a tratar da votação da Emenda Constitucional (PEC) do Teto de Gastos, das liberação das emendas parlamentares e, na sequência, da Lei Orçamentária Anual (LOA). “Sempre houve portas para dialogar, na Casa Civil. E assim continuará”, justificou, em tom de elogio a José Adolpho.
 
Na questão das emendas parlamentares, Max Russi vai envolver diretamente os secretários Wilson Santos (PSDB), das Cidades; Guilherme Muller, do Planejamento; Gustavo de Oliveira, da Fazenda; e Marcelo Duarte, da Infraestrutura, entre outros. Isso porque Secid e Sinfra concentram mais de 80% das emendas contempladas pelos deputados estaduais, ainda pendentes.
 
“Não tem segredo. Vamos conversar olho no olho e mostrar a realidade do Estado. Mostrar o que é possível fazer, diante da situação de crise que temos enfrentado desde 2015”, sintetizou Russi.

Fonte: Olhar Direto